Puzzle

23/06/17 — Leave a comment

Começamos com uma caixa de madeira. Não nos deixemos seduzir pelos seus veios estruturais, pelo seu toque quente e carícia envernizada. É uma caixa destinada a arder no fim, e como tal, algo passageiro, de uma fugacidade trágica. 

Abrimo-la, de olhos virgens e vazios, e, num pasmo de estupidez, vemos um puzzle com um milhão de peças. Não compreendemos o que são porque não temos nada na cabeça. Fechamos a caixa e sentimos algo a chocalhar no bolso — já lá temos algumas! Ainda vagas e a ganhar cor como um polaróide improvisado, pousamo-las sobre um tampo de alumínio estéril, e banhamo-as com a luz de um candeeiro clínico.

São peças importantes, que para sempre figurarão no nosso centro. Os nossos pais, irmãos, língua materna, terra, avós, primeiros amigos. Ligam-se e desligam-se. Como todas as seguintes, transformar-se-ão com o tempo e as experiências que lhes fizermos, boas ou más, consciente ou inconscientemente.

Dependendo da sorte, e do nosso empenho e ciência, teremos ligações mais ou menos férteis entre peças, e oportunidades de abrir a caixa e de lá retirar outro bocadinho do nosso futuro eu. Em muito este abrir e fechar da caixa parte de nós, mais do que por vezes damos conta. Do abrir um livro, ao fazer amigos despreocupado, arriscar a medo, ou até embarcar num comboio — todos os elementos que encaixamos na fronteira de quem somos fazem crescer a obra. Dão-lhe cor, textura, motivo, reflexão. Tocam-se peças, tocam-se mãos e lábios. Dizem-se palavras, pisam-se solos, levantam aviões. Umas vibram de cor, quais faróis por entre o misto, outras perdem-se, desvanescem-se, deixam de encaixar direito.

Há em nós muito, e esse muito trabalha-se e regenera-se tanto quanto queremos. Tanto quanto nele ainda acreditarmos. Tanto quanto as peças ainda se liguem, se queiram.

Pouco a pouco na amálgama começa a afigurar-se algo, tenuemente, tímido, por entre o caleidoscópio desorganizado. Onde haverá aqui uma vitória, uma vez que o puzzle nunca estará completo, e a caixa e todas as suas peças arderão muito antes de o entendermos?

No meu entender presente, a vitória está na descoberta. No acto de levar as mãos à caixa, de nos deixarmos abismar como no primeiro dia com a imersão dos nossos dedos em infinitas combinações, histórias, sorrisos e lugares, e, encaixe a encaixe, no imenso prazer de crescer e aprender.

Advertisements

No Comments

Be the first to start the conversation!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s